Estamos caminhando para o fim da Energia Nuclear

  |  

Símbolo de um dos desastres nucleares mais destrutivos da história da humanidade, a Usina Nuclear de Chernobil tenta se reinventar para mostrar ao mundo que é possível termos uma matriz energética cada vez mais limpa e segura, impedindo que novos desastres possam trazer prejuízos inimagináveis para pessoas e para o Planeta Terra.

Em abril de 1986 um teste mal-sucedido no reator número 4 da usina nuclear lançou nuvens de material radioativo por toda a Europa e obrigou dezenas de milhares de pessoas a se retirarem. Vários funcionários e bombeiros morreram durante o acidente, a maioria devido a doenças agudas causadas pela radiação. Mais tarde outras milhares sucumbiram a doenças relacionadas à radiação, como o câncer, mas o saldo total de mortes e os efeitos de longo prazo na saúde são inestimáveis.

Após o início da operação, a planta deve gerar um megawatt de energia, o suficiente para abastecer uma pequena cidade com cerca de duas mil residências. O projeto está sendo conduzido pela Solar Chernobyl, formada por capital ucraniano e alemão. Foram investidos um milhão de euros na construção da estrutura que possui cerca de 3,8 mil painéis fotovoltaicos, que ocupam uma área de 1,6 hectare, cerca de dois campos de futebol. Segundo Yevgen Varyagin, presidente da companhia, a quantidade de sol na região é o “mesmo do sul da Alemanha”. A previsão é que o investimento seja recuperado em sete anos.

A inauguração da usina fotovoltaica no Complexo de Chernobil coincide com um aumento de investimento acentuado em recursos renováveis na Ucrânia. Entre janeiro e setembro de 2018 mais de 500 MW de capacidade de energia renovável foram acrescentados ao país, mais do que o dobro de 2017, disse o governo.

Se você tiver interesse em também ver como outras nações estão também se posicionando contra a energia nuclear, você pode acessar este outro artigo no Blog da TAB energia e saiba mais:

Não perca mais tempo, instale hoje mesmo um sistema fotovoltaico na sua residência ou empreendimento e juntos vamos mostrar ao mundo que não aceitamos mais qualquer tipo de fonte radioativa ou não renovável de geração de energia. Juntos faremos um mundo mais sustentável!

Fonte: O Globo